Sexta, 21 de Janeiro de 2022 14:33
(68) 9 9241-7768
Politica 139 anos

No dia que Rio Branco comemora 139 anos, estátua do Plácido de Castro recebe nova espada após furto

A ação cívica ocorreu nesta terça-feira (28), na Praça da Revolução com a presença do prefeito Tião Bocalom.

28/12/2021 16h21
Por: Redação Acrelândia News
No dia que Rio Branco comemora 139 anos, estátua do Plácido de Castro recebe nova espada após furto

Em comemoração ao aniversário de 139 anos da cidade de Rio Branco, a estátua do Coronel José Plácido de Castro ganhou uma nova espada. A ação cívica ocorreu nesta terça-feira (28), na Praça da Revolução e contou com a presença do prefeito Tião Bocalom.

Considerada um símbolo da Revolução Acreana, a estátua de bronze é um dos principais pontos turísticos da capital acreana. Construída em 1964, por Honório Peçanha, o monumento é localizado em frente à sede da Prefeitura Municipal de Rio Branco, no centro da cidade. A estátua havia sido furtado há algum tempo. A gestão são soube precisar quanto tempo a estátua ficou sem a espada, mas destaca que vai redobrar a segurança no local.

A atual gestão disse que a espada posta hoje é de ferro. A antiga era feita de cobre, um material mais caro, o que pode ter motivado o roubo.

“Isso tem um simbolismo grande, porque Plácido de Castro é um grande herói, é aquele que fez com que o Acre pudesse ser Brasil. Ajudou o povo acreano a transformar esse pedacinho de chão aqui em Brasil. A espada some, mas a gente espera em Deus que colocando essa espada no monumento, ela não saia mais daí, porque vamos colocar vigilância eletrônica na Seis de Agosto e na praça. Acredito que a gente vai ter isso sem acontecer os problemas que aconteceram. Agora é fundamental porque a simbologia é grande. Rio Branco tem 139 anos e tem muita coisa a ser feita ainda, as pessoas ainda esperam muito da nossa gestão e eu espero em Deus que ao final dos 3 anos vamos ter muita coisa boa para falar”, disse o prefeito da cidade, Tião Bocalom.

O gestor diz ainda que o sistema de monitoramento - uma de suas promessas de campanha - deve ser iniciado ainda em março ou abril do ano que vem com a implantação de 250 a 300 câmeras em um projeto piloto.

“O sistema de segurança vamos montar na cidade inteira, mas a princípio é um projeto piloto que vamos fazer na Seis de Agosto. A prefeitura de Rio Branco colocando as câmeras e tudo sendo monitorado pelo centro de monitoramento da PM, do governo do estado. Esse sistema é usado nas cidades mais desenvolvidas do mundo, como Nova York, e até o final dos nossos três anos será toda monitorada. Nosso projeto é cobrir as 10 regionais, a prefeitura usando as câmeras usando o espaço da PM para dar tranquilidade para a população”, garante.

 

Durante a solenidade, um grupo levou cartazes contra a exigência do passaporte da vacina.

'Disputa' para varar a capital do Acre

Formada por dois Distritos - o primeiro e o segundo -, este último o mais antigo, onde começou a cidade, Rio Branco comemora, nesta terça-feira (28) 139 anos e, além de ser a cidade mais antiga do Acre, também se tornou a capital unificada do estado em 1920 e concentra pelo menos metade de toda a população do estado.

Em uma história que se confunde com a do próprio estado, Rio Branco foi palco das maiores disputas da Revolução Acreana, em 1902, na luta por tornar o Acre um território independente. E a força política foi o que a tornou a capital do estado, segundo explicou o historiador Marcos Vinícius Neves.

“No caso de Rio Branco, o que foi preponderante é que ela acabou se tornando o olho do furacão da guerra entre brasileiros e bolivianos. Apesar de a Revolução Acreana ter tido momentos importantes em Xapuri e também Porto Acre, foi em Rio Branco que, na época, era chamada de Volta da Empreza, a questão se decidiu, onde aconteceram dois combates [ambos em 1902, o 1º em setembro e o 2º em outubro] um vencido pelos bolivianos e o segundo combate vencido pelos brasileiros. Foi em Rio Branco também onde se estabeleceu as linhas de resistência de bolivianas vindas a partir da fronteira”, explicou.

Foi só em 1920 que Rio Branco se tornou a capital, quando o Acre foi todo unificado em um único governo territorial. Sena Madureira estava sendo preparada para ser a capital.

“Sena Madureira estava sendo preparada para ser a capital do Acre porque tinha uma situação geográfica mais central entre o Vale do Acre e o Vale do Juruá, mas, o peso político de Rio Branco falou mais alto e, a partir de 1920, Rio Branco passou a ser a capital do Acre", pontuou.

Quatro capitais

Entre 1904 e 1912 existiam na região três departamentos: Alto Acre, Alto Purus e Alto Juruá. A partir de 1910, o Alto Juruá foi dividido em dois, o Juruá e Alto Tarauacá. Com isso, cada departamento tinha sua própria capital.

 

“Foram quatro capitais, Rio Branco, Sena Madureira, Tarauacá e Cruzeiro do Sul, mas, quando ocorreu a unificação do território em um governo só, Rio Branco tornou-se a capital central, primeira e única. Tem a lenda que diz que Sena foi a primeira capital do Acre, mas não foi”, explicou o historiador.

Município mais antigo

Foi em 28 de dezembro de 1882 que Neutel Maia aportou às margens do Rio Acre e fundou o Seringal Volta da Empreza. O local rapidamente se tornaria um porto comercial. Este seria o início de Rio Branco.

O seringal se tornara espaço urbano e assim nascia a primeira cidade do estado a surgir como povoado, como espaço público, por essa função de porto comercial.

Quando o território acreano foi anexado ao Brasil, após os combates da Revolução Acreana, a cidade mudou de nome para Vila Rio Branco e virou a capital, apenas do Departamento do Alto Acre. Só viria a ser a capital unificada anos depois.Maior cidade do Acre

Em todo seu processo histórico, tendo como importante ator o Rio Acre, Rio Branco que cresceu ao redor do manancial e tem hoje a maior população do Acre, que registrou em 2020, mais 894 mil habitantes, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Sendo que pelo menos metade - mais de 413 mil - são da capital.

“Não tem nenhuma coincidência de Rio Branco ser a maior cidade do Acre. Na verdade, isso é resultado do longo processo histórico de formação das cidades acreanas. As duas cidades mais antigas do Acre são Rio Branco (1882) e Xapuri de (1883), que foi quando formaram os seringais que deram origem aos povoados e, esses povoados mais tarde foram elevados à condição de vila já em 1904, com criação do território federal do Acre”, complementou Neves.

Esse crescimento populacional ocorreu em consequência de eventos como a pecuarização do estado, por exemplo.

“Com todos os processos que aconteceram desde então, batalha da borracha, depois a invasão dos paulistas com o processo de pecuarização no Acre, Rio Branco começou a receber cada vez mais gente até chegar ao ponto que hoje vivemos em que Rio Branco concentra metade da população de todo o estado do Acre”, acrescentou.

Isso quer dizer que de qualquer maneira, e por qualquer ponto de vista que se olhe, Rio Branco é a capital e a principal cidade do Acre desde o início da história.

*Estagiária sob a supervisão de Geisy Negreiros.

Colaborou Murilo Lima, da Rede Amazônica Acre.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Acrelândia - AC
Atualizado às 16h15 - Fonte: Climatempo
30°
Pancada de chuva

Mín. 21° Máx. 30°

34° Sensação
4.9 km/h Vento
73.1% Umidade do ar
83% (15mm) Chance de chuva
Amanhã (22/01)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 23° Máx. 31°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Domingo (23/01)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 23° Máx. 33°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias